1 – Amar a Jesus sobre todas as coisas.

2 – Entender que fazemos parte da Igreja, que é o Corpo de Cristo espalhado por toda a terra. Agir em parceria, considerando os outros superiores a si mesmo.

3 – Não se considerar melhor nem pior que ninguém, mas respeitas todas as mais diferentes expressões que buscam pregar o evangelho de Jesus Cristo.

4 – Nunca pensar que somos uma geração “especial”, mas lembrar que, obviamente, nas gerações que nos precederam, muitos entregaram suas vidas para que o evangelho pudesse chegar até nós.

5 – Não se preocupar com placas, denominações, conselhos ou coisas semelhantes que dividem o Corpo de Cristo.

6 – Amar a Igreja do Senhor, e não desejar expandir o “seu” ministério ou o nome da “sua” comunidade. Utilizar nomes apenas como identificação e referências, e não como estandartes.

7 – Não se preocupar com títulos eclesiásticos, nomes, honrarias e premiações, mas com uma autêntica vida cristã, observada e testificada num convívio cotidiano. Valorizar as pessoas não pelos títulos acadêmicos, mas por ver nelas o caráter de Cristo. Não se impressionar com boas oratórias ou com personalidades fortes, mas conhecer as pessoas por seus frutos e atitudes diárias.

8 – Não utilizar a vida ministerial como estratégia para promoções, enriquecimento ou reconhecimento pessoais. Não se deixar seduzir por aplausos ou reconhecimento. Saber que o dinheiro faz parte da vida do ser humano, mas que a Palavra do Senhor jamais pode ser mencantilizada.

9 – Utilizar os bens e finanças da comunidade em benefício de todo o grupo, e não apenas para a sua liderança ou para as infindáveis obras de ampliações das estruturas físicas das igrejas.

10 – Procurar atuar, principalmente, em locais onde a igreja ainda não penetra. 

11 – Ter uma visão missionária e, assim, o desejo de enviar um número cada vez maior de missionários para diversas partes do Brasil e do mundo. Não pretender aglutinar um número cada vez maior de “convertidos” (transformados em meros expectadores) em um mesmo lugar, ou em um mesmo templo, mas mandar muitos obreiros para a grande seara.

12 – Não sacralizar as culturas judaica, americana e européia, mas resgatar e redimir a diversidade cultural espalhada por toda a terra.

13 – Incentivar e utilizar o potencial dos jovens em todas as áreas da vida da igreja.

14 – Buscar o conhecimento bíblico, o aprimoramento intelectual, o treinamento prático e uma constante informação de todos os assuntos pertinentes à humanidade.

15 – Ajudar cada um a descobrir seus dons pessoais, sua personalidade. Trabalhar na restauração da identidade única dada por Deus a cada pessoa, o que mostra a diversidade criativa do Senhor, e enriquece a manifestação do Corpo de Cristo. Lutar contra a massificação cultural dos cristãos, que faz todos se vestirem da mesma maneira, falarem sempre os mesmos jargões, e agirem sempre da mesmas limitadas formas, como se fossem robôs. 

16 – Adotar sempre o modelo de uma liderança plural (formadas por pessoas reconhecidas e aprovadas pelo restante do grupo) em todos podem opinar, criticar, avaliar, sugerir. Uma equipe formada por pessoas que reconheçam a autoridade dos parceiros e se deixam admoestar umas pelas outras. 

17 – Não transformar o ministério ou a comunidade em um “império pessoal” que busca cada vez mais ampliar os “seus domínios”.

18 – Nunca aderir a modismos superficiais ou simplesmente adotar modelos importados, mas, de todas as coisas, reter o que é bom.

19 - Nunca se afastar da simplicidade do Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo.


CONTRACULTURA CRISTÃ - Cristianismo é, em sua essência, CONTRACULTURA. Além da grande obra de salvação e redenção da humanidade, Jesus quebrou diversos tabus e convenções, revolucionando todas as áreas da existência humana, desde a questão de relacionamentos interpessoais, ao relacionamento homem-mulher, a redenção da mulher na sociedade, o cuidado preferencial para com os fracos (órfãos, viúvas), a preocupação para com os pobres. Não é à toa que Jesus é considerado mártir também para grupos underground não ligados ao cristianismo: uns dizem que ele foi o primeiro hippie, outros dizem que foi o primeiro comunista (no melhor sentido de justiça social atribuído ao termo), outros dizem que Jesus foi punk etc. Infelizmente, porém, desde o século III, com a conversão do imperador romano Constantino ao cristianismo, a igreja cristã aliou-se, em diversos momentos, ao poder dominante, e sofreu todas as conseqüências, na maioria negativas, desse envolvimento. Assim, em diversos momentos da história percebe-se a igreja defendendo mais interesses ligados às classes dominantes do que as propostas transformadoras do cristianismo. Dentro do ramo evangélico, por exemplo, vê-se quão distante tornou-se a igreja do próprio significado da palavra protestante.

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (296) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (74) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (41) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (285) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações