Ninguém ri de Deus em um hospital 
Ninguém ri de Deus em uma guerra 
Ninguém está rindo de Deus quando faminto, ou congelando ou muito pobre 
Ninguém ri de Deus quando o médico liga após alguns exames de rotina 
Ninguém está rindo de Deus quando fica muito tarde 
E seu filho ainda não voltou da festa 
Ninguém ri de Deus quando seu avião começa a tremer incontrolavelmente 
Ninguém ri de Deus quando nota que a pessoa que ama 
Está de mãos dadas com outra pessoa e espera estar enganado 
Ninguém ri de Deus quando a polícia bate à sua porta 
E eles dizem: temos más notícias, senhor 
Ninguém está rindo de Deus quando há fome, incêndio ou inundação 

Mas Deus pode ser engraçado 
Em um coquetel quando se ouve uma ótima piada sobre Deus 
Ou quando os loucos dizem que Ele nos odeia 
E eles estão com o rosto tão vermelho que parece que vão engasgar 
Deus pode ser engraçado 
Quando dizem que Ele pode te dar muito dinheiro se você orar do jeito certo 
E quando apresentado como um gênio que faz mágica como o Houdini 
Ou concede desejos como o Grilo Falante e o Papai Noel 
Deus pode ser tão hilário 

Ninguém ri de Deus em um hospital 
Ninguém ri de Deus em uma guerra 
Ninguém está rindo de Deus quando perde tudo o que tem 
E não sabe qual é a razão disso 
Ninguém ri de Deus no dia em que percebe estar vendo a última coisa a ser vista 
É um odioso par de olhos 
Ninguém está rindo de Deus quando diz “adeus” 
Ninguém ri de Deus em um hospital 
Ninguém ri de Deus em uma guerra 
Ninguém está rindo de Deus quando faminto, ou congelando ou muito pobre 

Não há ninguém rindo de Deus 
Todos estamos rindo com Deus (1) 

Na primeira vez em que ouvi essa música e prestei o mínimo de atenção à sua letra, logo me encantei não só pela hábil maneira com que nela a autora brinca com as palavras, ou pelo tom sereno da voz de Regina Spektor, mas pela assertividade com que trabalha a ideia de “rir de Deus”. 

Nas estrofes da música, o “rir de Deus” se refere a variadas situações crônicas da vida, como se dissesse: “Bem, se é que tem alguém rindo de Deus, certamente não é em um hospital ou em meio a uma guerra etc”. Ninguém (ou quase ninguém) é capaz de rir de Deus nessas horas, não é mesmo? Pelo contrário, é precisamente nesses momentos que mais lembramos que Deus existe — mesmo que tenhamos passado a maior parte da vida negando ou ignorando sua existência. Como diria C. S. Lewis, para muitos, Deus é como um pára-quedas, do qual só lembramos quando estamos em queda livre. 

Ao mesmo tempo, na segunda parte do refrão a autora ironiza mais ainda dizendo que Deus pode ser engraçado, hilário até. É claro que se trata aqui de uma ideia de Deus, bastante popular, aliás, de um Deus-joguete dos desejos humanos, que se submete a um relacionamento de barganhas e que está pronto para dar presentes de acordo com o mérito de quem ora certo ou faz as coisas (religiosamente) direitinho. Esse é o tipo de ideia em relação a qual a gente não sabe bem se ri ou se chora. Só não dá pra ficar indiferente. 

Paulo disse que não era pra ninguém se enganar porque de Deus não se zomba (Gálatas 6.7), ou seja, não se faz de Deus um tolo. O apóstolo não está sendo imperativo aqui; não está dizendo “não zombem de Deus”, e sim, “por mais que se tente, não é possível zombar de Deus”, Ele não é zombável. Em outras palavras, Deus não deixa de ser Deus porque deixamos de acreditar nele ou de honrá-lo, e nem é mais Deus porque o honramos, louvamos, glorificamos; Ele não se torna mais Santo cada vez que cantamos “Tu és Santo”. Quando dizemos e fazemos cada uma dessas coisas, no fundo, não é por causa de Deus, e sim por causa de nós mesmos, da necessidade que temos Dele, da gratidão a Ele pelo amor que Dele recebemos, e assim por diante. Não amo o amor pelo amor em si, mas, primeiro, porque fui e porque sou amado. 

Não estamos sendo prepotentes demais quando pensamos que Deus precisa de nossos mimos para ser mais Deus, mais Santo, mais Glorioso? Ele já É tudo isso. E o que É não deixará de ser porque alguém disse de menos, e nem será mais do que É porque outro fez de mais. À prepotência humana (minha e sua) de achar que o mundo (e Deus) é seu umbigo é que se destina a bem-humorada ironia da música: no fundo ninguém está rindo de Deus, todos estamos rindo com Ele. 

Nota 
(1) Laughing with [Rindo com], Regina Spektor. Album: Far, 2009. 

Imagem: Grace Like Rain - Annette Broy.

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (298) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (76) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (42) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (287) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações