Nos dias de Jesus, todos os grupos religiosos viviam como sal dentro do saleiro. Alguns deles não mereciam nem ser chamados de sal, porque tinham perdido completamente o sabor. A santidade existencialmente, começa dentro, no interior do individuo, mas tem sua representação na secularidade, no mundo. Os conteúdos cristãos tem que ser colocados de maneira que a sociedade humana os perceba, a fim de que o desejo de Jesus se cumpra; para que, vendo o caráter da Igreja e suas ações, o nome do Pai, que está nos céus, seja glorificado. Isto é ver a reprodução do "jeito" de Deus no mundo, no seus filhos que, à semelhança do Pai, são bondosos, generosos, sensíveis para amar e perdoar, humanos, intensamente apaixonados pela obra, comprometidos com a missão, conscientes do seu tempo, da sua hora e da responsabilidade para com Deus e para com o mundo, respondendo a este com o mesmo amor com o qual Deus reage todos os dias, fazendo vir Sol sobre os maus e bons e chuva sobre justos e injustos.

"(...) porque ele fez nascer o seu Sol sobre maus e bons, e vir chuvas sobre justos e injustos" (Mateus 5:45)

Com isso Jesus estava querendo dizer:
"Vivendo assim, afeta-se de tal modo a sociedade humana, constrangendo-a de maneira tão profunda, impactando a 'consciência' do planeta, que se força ainda que sem palavras, sem alardes, sem pressões, sem manipulações e sem tirania , o mundo, a despeito da vontade e da consciência deste. Deste modo, força-se o planeta a glorificar o vosso Pai que está nos céus."

Nós somos o sal, a terra é a terra. Quando o sal fica com gosto de terra, tornando-se insípido, vira monturo, não sendo possível diferenciá-lo de um monte qualquer. Para ser sal, tendo sentido e significação, torna-se necessário manter o conteúdo imaculado. Destarte, a diferença não vai ser estabelecida e medida por critérios visíveis, como tamanho de cabelo, o uso ou não de batom, o porte ou não de jóias, o ter ou não ter... A diferença não é esta. A diferença é ética, a qual se relaciona com as demais dimensões da vida, começando com as de natureza mais privada e indo para aquelas mais públicas. Não se está falando, aqui, de legalismos ou de literalismos; porém da manutenção do espírito de justiça, de verdade, de bondade, que se traduz em comportamento bondoso, que jamais se torna frouxo, e de uma liberalidade humana que jamais se torna libertina, mas que mantém um conteúdo de verdade, a qual não se transforma num "justicismo" executor, mas de uma verdade vivida em amor. Essa dimensão é diferenciadora, a qual se carrega, juntamente com Jesus, para dentro do mundo. Isso não pode ser negociado; isso não pode ser alterado. Só quando se mantém isso é que, mesmo nos vestindo como os outros cidadãos à nossa volta; ainda que fazendo parte de uma mesma comunidade linguística, portanto, falando uma mesma língua; embora sendo pessoas vivendo uma mesma época que outras, somos radicalmente diferentes da geração da qual fazemos parte.

No entanto, nos tempos de Jesus, não havia essa visualização de se ter um grupo humano vivendo em nome de Deus as implicações de uma fé que produzisse no coração da sociedade humana essa resposta de perplexidade, de êxtase diante da verificação da presença de Deus na vida de Seus filhos. Ao contrário, havia grandes grupos religiosos vivendo, cada um a seu modo, uma vida seca, estéril, oca e concomitantemente alienada do planeta, cheios de motivações religiosas e vazios de Deus. E quase sempre as motivações religiosas daqueles grupos os impeliam a uma relação de distanciamento do resto da vida em sociedade, por razões as mais distintas.

Surge então Jesus, num ambiente religioso como este, e fala não necessariamente para nenhum daqueles grupos específicos, não Se dirigindo a uma platéia formada por essênios, fariseus, zelotes e saduceus, mas a uma platéia formada por gente que não tem "pedigree", que não carrega "grifes" religiosas, ou seja, a um grupo formado por pessoas do povo: pescadores, fiscais de impostos, prostitutas sensibilizadas, pais de família curiosos, mães esperançosas, gente simples que vem de todas as partes; gente doente, angustiada, possessa, oprimida; gente sadia, gente alucinada, gente culpada, outras nem tanto; enfim, gente de todo tipo. Jesus olha para aquelas pessoas, vendo a semente de um novo tempo e de uma nova comunidade; vendo nelas o que ninguém mais vê; enxergando nelas um potencial que só Deus consegue vislumbrar na pessoa humana. Jesus olha para aquelas pessoas, cuja maioria não tinha nome, estirpe, precedidos apenas pelos primeiros discípulos que já naquela hora estavam se transformando em apóstolos; os outros eram uma massa anônima. E Jesus lhes diz, com toda esperança de Deus falando ao homem; com toda a vontade divina de ver a sua palavra se materializar:

"Vós sois o sal da terra; ora, se o sal vier a ser insípido, como lhe restaurar o sabor? Para nada mais presta senão para, lançado fora, ser pisado pelos homens." (Mateus 5:13)

Quando se observam os outros evangelhos e os movimentos de Jesus, parece que, até aquele momento, não havia ninguém consciente da possibilidade de se viver uma vida tão fantasticamente desafiadora e revolucionária. Ninguém jamais disse isso. Olhar para um grupo de excluídos, de indigentes e dizer-lhes:

"Vós sois o sal da terra".

Em outras palavras, Jesus estava lhes dizendo:
"Vou transformar vocês naquilo que vai dar gosto ao mundo. Vou jogar uma 'pitada' de Deus neste planeta. E conto com vocês para serem esse tempero da graça divina na Terra."

P.S.: Esse texto não é meu, é um trecho do livro "Sal fora do saleiro" do Caio Fábio.
 

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (298) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (76) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (42) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (287) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações