“E aproximaram-se os dias da morte de Davi; e deu ele ordem a Salomão, seu filho, dizendo:
Eu vou pelo caminho de toda a terra; esforça-te, pois, e sê homem.” I Reis 2: 1 e 2

Alteridade (é a concepção que parte do pressuposto básico de que todo o homem social interage e interdepende de outros indivíduos. A existência do "eu-individual" só é permitida mediante um contato com o outro “que em uma visão expandida se torna o Outro - a própria sociedade diferente do indivíduo”) como via de construção de uma nova masculinidade.

Ah, como as aparências enganam! Quando vejo um homem ou uma mulher falando de como as coisas eram boas quando cada um sabia o seu lugar na vida (aquele que se vive na família, na Igreja, no trabalho...), fico matutando e só consigo suspeitar que esse tipo de pensamento, e a sensação de organização que dele provém, encobre uma enorme perda: a de partilhar a existência com e do outro. Como poderei compreender a glória e o drama de meu parceiro ou parceira, se não fizer continuadas experiências do seu jeito de viver.

É certo que nunca serei o outro, mas certamente poderei desenvolver uma solidariedade que me permita assumir as vivências daquele ou daquela que comigo partilha a jornada da vida. Dessa forma será sempre mais verdadeira minha impressão sobre suas alegrias, dores, cansaços, sonhos etc. Por isso, não sei se era tão bom quando nas distâncias dos lugares determinados aos homens e mulheres, cada um permanecia na ilha de sua solidão, julgando que a solidão do outro era tão mais branda do que a própria.

Pensando nisso quero partilhar, no ritmo da poesia, o que tenho vivenciado, desejando que possa contribuir para a construção de pontes sobre nossas ilhas.

Faço teologia como mulher
Com tempos interrompidos pelo reclamo da filha
Pelas saborosas carências da parceira
Pela solidariedade nas coisas da casa
E da lida

Sobre a sensibilidade...
Tento fazer teologia como mulher
Na chave do afeto
Na clave do desejo
Tocando as relações
Subvertendo...
... As racionalizações...

Nunca ocupando o lugar seu
Que não poderia ser ocupado - mesmo quando usurpado
Desejando ser parceiro
Nos sabores e dissabores da caminhada humana
Humanizando-me
Humanizando-as

Fazendo teologia como mulher
Afirmo minha masculinidade
Uma masculinidade mais plena
Porque também feminina
Homem...
Mas não macho
Experimentado pelo feminino
Experimentando-o na brincadeira do Sagrado.

Adaptado por Juliano Fabrício

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (298) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (76) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (42) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (287) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações