Diante de tantos modelos eclesiásticos propagados, tantos sistemas denominacionais dividindo os cristãos, penso ser profundamente pertinente falar sobre a estrutura da Igreja. Mas não para propor algo novo, não uma promessa de crescimento vertiginoso nem uma nova doutrina sobre a manifestação do corpo de Cristo na terra.

Há em voga diversas formas de agrupamento humano. E as formas menos sadias são as que massificam as pessoas dissolvendo a personalidade e desfigurando a identidade particular dos indivíduos. Ao que tudo indica, dado ao comportamento cada vez menos intimista da sociedade, as organizações tenderão a se tornar cada vez mais massificadoras.

De fato, nem sempre é possível ou mesmo prudente privilegiar a pessoalidade dos relacionamentos. As organizações, atendendo às necessidades pós-modernas, estruturam-se de forma a otimizar as relações interpessoais. Portanto não se pode radicalizar ao ponto de condenar toda e qualquer estrutura organizacional que não prime pela personalidade humana.

Não obstante, quando se trata da Igreja não podemos perder o foco. Paralelo ao que ocorre na sociedade secular, no meio religioso há uma profusão de estruturas hierárquicas, formas de governo e modelos a serem seguidos; ocorrendo ainda o peso da “sacralização” deste ou daquele, fazendo com que existam estruturas tidas como ortodoxas e as não-ortodoxas, sedo até mesmo chamadas de heréticas.

Não dá para dizer que Jesus tenha ditado algum tipo especifico de estrutura hierárquica, com descrição exata acerca de funções e posições a serem exercidas – muito diferente do que ocorreu nas histórias do Velho Testamento, nas quais Deus mesmo entregou a lei, juntamente com todos os detalhes sobre o ofício dos Sacerdotes, Sumo-sacerdotes, e outros oficiais do templo; tendo o próprio Templo sido minuciosamente descrito a fim de direcionar sua construção.

Jesus, contudo, falou de uma nova ordem das coisas, propondo algo totalmente revolucionário e contraditório: o maior servirá o menor (Lucas 22. 26). O que percebemos com a leitura dos evangelhos é que os discípulos, a semelhança de todos os homens, possuíam sede pelo poder. Há relatos de suas discussões sobre quem seria o maior. Mas não houve espaço para a proliferação desse tipo de diálogo. Jesus cortou o mal pela raiz!

A não sistematização de uma estrutura eclesiástica é um dos fatos mais curiosos dos evangelhos. Jesus parece nos entregar totalmente à direção do Espírito Santo. De forma que a própria organização da Igreja primitiva, narrada em Atos, é apresentada como sendo resultado da espontaneidade das reuniões familiares.

Paulo foi quem tratou a coisa num tom mais específico e com certa amplitude. Ele fala da Igreja como corpo – um organismo vivo –, assume a diversidade de membros e não vê problema algum na existência da unidade a despeito da diversidade inevitável (na verdade, desejável). Para ele, o Espírito Santo é quem forma o vínculo trazendo união.

Quando escreveu sua primeira carta aos coríntios, Paulo demonstrou sua crença de que a Igreja devia ser fundamentada nos dons – contudo não da maneira como ocorria entre estes irmãos. Ele lançou mão de uma analogia da Igreja com um corpo, a qual, assim como este, possui muitos membros com distintas funções.

A finalidade da distribuição de dons não se estava ligada nem um pouco com algum tipo de poder que permitisse porventura que o agraciado pelo presente exercesse autoridade sobre os demais a fim de subjugá-los. O objetivo era muito básico, cuidar uns dos outros segundo seu próprio dom (I Co 12. 25).

Em Efésios, Paulo trata do mesmo assunto só que explicitando o objetivo da manifestação de dons no corpo. Sobre os dons, ele repetiu : “E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo - Ef. 4. 11-12”. (Só para lembrar, quando Paulo relata esses funções ele não esta promovendo uma hierarquia). E pela maneira como fala podemos entender que não somente as pessoas recebem dons mas também são dons de Deus para a Igreja, visto que “ele mesmo os deu” à Igreja.

A finalidade para qual os dons são entregues soa com muita clareza: “aperfeiçoamento dos santos para o ministério”. Tal entendimento, ainda que assumido pela maioria das Igrejas, não é levado às últimas conseqüências. Visto que uma resposta séria a tal afirmação paulina seria a capacitação dos irmãos em um nível no qual haja um momento em que estes sejam também capacitadores e não apenas ouvintes da mensagem.

O que ocorre é que as Igrejas em geral têm formado ouvintes, assistentes de culto, meros espectadores. E os modelos eclesiásticos assumidos também não favorecem em nada a manifestação e uso dos dons. Uma vez que, mesmo afirmando o sacerdócio universal dos crentes, as reuniões da Igreja giram em torno do pregador e ministros de louvor.

Os irmãos chegam no horário de início do culto, cumprimentam-se e se assentam, esperam passivamente o cumprimento de cada momento litúrgico e após a benção apostólica retornam para suas casas tentando digerir o que lhes fora dado num monólogo quase sempre insatisfatório.

A visão de uma Igreja estruturada a partir de dons não significa que se deva cair em uma neurose religiosa em busca de dons e automutilação emocional a fim saber se se tem ou não este ou aquele dom para uma possível contribuição com o corpo.

Até porque é o próprio Espírito Santo quem distribui os dons segundo lhe convém, como escreveu Paulo: “Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer” (I Co 12. 11). De forma que se deve orar para que Deus manifeste seus dons à Igreja segundo as necessidades vigentes. Ele mesmo sabe quais são!

Um entendimento errado têm levado pessoas sinceras a escolherem quais dons desejam que se manifestem em suas vidas. Penso eu ser o resultado de uma interpretação equivocada do que Paulo quis dizer quando instou: “Portanto, procurai com zelo os melhores dons; e eu vos mostrarei um caminho mais excelente” (I Co 12.31).

Nesta fala ele, de modo algum, está dizendo que devemos escolher quais dons queremos segundo nossa própria vontade – que, sabemos, é tendenciosa e inclinada à glória pessoal. No trecho seguinte da carta Paulo escreveu um dos mais lindos textos falando sobre o amor. E embora o mesmo texto seja muito utilizado em casamentos, seu surgimento ocorre no contexto do emprego dos dons espirituais no seio da Igreja.

A fim de esclarecer o texto, ouso parafrasear o apóstolo: “Vocês podem procurar com afinco os melhores dons, e depois de encontrá-los eu ainda terei de lhes mostrar algo ainda muito mais excelente: o amor. Qualquer desses dons sem amor nada será” (I Co 13).

Algo tão simples. Algo tão deturpado hoje em dia que perdeu-se a compreensão do que seja uma Igreja carismática (cheia de dons). Há, sim, muitas Igrejas nominalmente chamadas de carismáticas. Contudo, isso se refere apenas a uma linha teológica assumida. Os dons são tão naturais para a Igreja quanto os órgãos para o corpo humano. Não há membro sem função no corpo humano, assim também não há membro sem dons no corpo de Cristo.

Adaptado por Juliano Fabricio  Texto original: Humberto Ramos

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (296) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (74) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (41) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (285) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações