Como outros conceitos “metafísicos”, tais como o da “Mão Invisível do Mercado” e de “Investidores em Bolsa de Valores”, sem rostos, sem traços, o de “Neoliberalismo” se mostrou o pior de todos. Usa o termo “Neo”, como sendo novidade ou reformulação, e o de “liberalismo” para implicar a liberdade de compra e venda. Mas que liberdade? A de grandes corporações destruírem o pequeno comércio local, despejando famílias em um exército de desempregados desesperados que, assim, podem ser contratados à preços ridículos chamados “salários” para se dedicar 110% à empresa com medo de serem despedidos?

Tal estado de coisas é muito bom para os empresários que buscam lucros crescentes às custas dos sacrifícios dos assalariados, entre os quais, as perdas de conquistas, como férias remuneradas, salário-família, décimo terceiro, conquistas estas que são vistos, pelos patrões, como vestígios de uma prática “antiga”, “ultrapassada”, “getulista”, que precisa ser “reformada”, para ser “modernizada” em prol do desenvolvimento do “Mercado” – entenda-se, em prol do aumento absurdo dos lucros deles, a minoria exploradora. No final, a culpa é dos mais fracos e a luz e a razão esclarecida, dos que menos trabalham e mais se dão bem nesse sistema.
E tão grande é a ilusão de que palavras como mercado, bolsas, investimentos, refletem realidade mágicas e naturais, que por tanto serem ditas na Televisão – normalmente pertencentes a poucas famílias atreladas aos negócios capitalistas – acabam por, de fato, parecerem refletir leis naturais. Nas palavras de Frei Betto:

“O mercado é o novo fetiche religioso da sociedade em que vivemos. Antigamente, nossos avós consultavam a Bíblia, a palavra de Deus, diante dos fatos da vida. Nossos pais, o serviço de meteorologia: "Será que vai chover?". Hoje, consulta-se o mercado: "O dólar desvalorizou? Subiu a Bolsa? Como oscilou o mercado de capitais?”.

Diante de uma catástrofe, de um acontecimento inesperado, dizem os comentaristas econômicos: "Vamos ver como o mercado reage". Fico imaginando um senhor, Mr. Mercado, trancado em seu castelo e gritando pelo celular: "Não gostei da fala do ministro, estou irado." Na mesma hora os telejornais destacam: "O mercado não reagiu bem frente ao discurso ministerial".


Se algo dá errado com o Mercado, como por exemplo a crise de 2008 causada pela aposta de Bancos e Mega-especuladores financeiros, a culpa é da população contribuinte que terá seu dinheiro dos impostos utilizado para salver e enriquecer (e entenda-se, premiar) os mesmos Bancos e Mega-especuladores. Dinheiro que deveria ser do povo em forma de melhores condições de vida, de hospitais, de segurança e de educação. E a resposta destes exploradores não é um agradecimento, mas sim a de que se deve fazer reformas trabalhistas para se gastar menos com quem os salvam pelo consumo e uso dos impostos, e aumentar ainda mais o lucro vampiresco de Bancos e Mega-Especuladores, os regentes e sacerdotes do Deus Mercado.

E quem é este mercado? A população? Os trabalhadores? Os estudantes? Os aposentados? Os camponeses ou apenas uma parte elitista que manda, desmanda e, principalmente, influi na vida de todos os demais? Onde está a Democracia dos iguais? Onde as promessas de um mundo mais feliz e seguro?

Engraçado que até um tipo de religião se ergueu neste momento, uma de tipo neopentecostal e fundamentalista que tem seu maior atrativo nas promessas de crescimento econômico e financeiro – que, de fato, se faz visível na esnobação materialista de seus líderes: o televangelismo-midático-espetaculoso de uma Igreja Universal do Reino de Deus o da Assembléia de Deus de um Silas Malafaia e seu jatinho de meros 12 Milhões de Dólares são apenas alguns exemplos disto... Ainda Frei Betto:

"Antes, falava-se em Estado, o importante era fortalecer o Estado. Um ministro da ditadura militar chegou a declarar: "Vamos fazer crescer o bolo, depois haveremos de dividi-lo." Só que o bolo cresceu, e o gato comeu, não se viu o resultado. Aqueles mesmos políticos que advogavam o crescimento do Estado defendem, hoje, a sua destruição, com o sofisticado lema da ‘privatização’.

Não sou radicalmente contrário à privatização, nem estatista. Há países ricos - como a França e o Reino Unido - nos quais os serviços públicos estatais funcionam muito bem. Não é por serem públicas que as empresas e os serviços devem operar negativamente. A história é outra: muitos políticos, que deveriam ser homens públicos, estão prioritariamente ligados a empresas privadas, de maneira que não têm interesse em que as coisas públicas, estatais, funcionem bem. O maior exemplo disso é o serviço de saúde no Brasil. São US$ 8 bilhões circulando por ano nos planos privados de saúde, que atendem apenas 30 milhões de pessoas numa população de 190 milhões. Por que o SUS haveria de funcionar bem? Outrora, alguém ficava doente e dava graças a Deus por conseguir um lugar no hospital. Hoje, as pessoas morrem de medo de ir para o hospital. Hospital virou ante-sala de cemitério.

A privatização não é só econômica, é também filosófica, metafísica. Tem reflexos na nossa subjetividade. Também nos tornamos seres cada vez mais privatizados, menos solidários, menos interessados nas causas coletivas e menos mobilizáveis para as grandes questões. A privatização invade até mesmo o espaço da religião: proliferam as crenças ‘privatizantes’, que têm conexão direta com Deus. Isso é ótimo para quem considera que o próximo incomoda. É a privatização da fé, destituindo-a da sua dimensão social e política”.


Adapatdo por Juliano Fabricio  Fonte: http://oespiritualismoocidental.blogspot.com/

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (298) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (76) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (42) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (287) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações