Pois bem, para aqueles que ainda acham que a música cristã sempre foi "santificada" preparei uma pesquisa sobre a origem das músicas que hoje compõem o hinário de grande parte das igrejas chamadas históricas e tambem das chamadas comunidades evangélicas.

Me perdoem o tamanho deste post, mas para o entendimento completo deste assunto, e o aprofundamento desta discussão, era necessário que fosse assim.

A influência anglo-saxônica - Devido à forte influência que recebemos de nossos principais evangelizadores, os americanos, temos que observar qual foi a tradição musical que eles herdaram, e conseqüentemente nos deixaram como herança. Isto é fundamental para podermos compreender como foi a mudança pela qual a igreja brasileira passou em sua liturgia, e porque houve essa mudança.

Em um primeiro momento, na Inglaterra do século XVII os hinos não existiam como expressão de culto para todas as pessoas. Os hinos então, foram escritos para os aristocratas e tocados em suas capelas particulares, por músicos profissionais, já que eles podiam pagar por isso. A maioria dos hinos mais tradicionais nos hinários ingleses, e por extensão em nossos próprios hinários, que hoje são comuns, foram criados nestas circunstâncias.

Um motivo bem santo e cristão não é mesmo?

As primeiras músicas e hinários - Uma das primeiras tentativas de criar hinos congregacionais veio de Benjamim Keach. Em 1697 ele publicou uma coletânea de 37 hinos, que mais tarde, no século XVIII, começaram a aparecer em suplementos nas coleções de Salmos, como o Divine Companion.

O homem que abriu uma nova etapa na hinologia cristã foi Isaac Watts (1674-1748), cujos hinos são cantados, ainda hoje, em muitas das igrejas evangélicas históricas. Uma das razões destes hinos atravessarem os séculos, é a habilidade que ele tinha de sintetizar a experiência cristã universal, que todos os crentes poderiam identificar. Com raras exceções, eles devem ser entendidos como arte popular.

No século XIX, nos Estados Unidos, os americanos mais cultos e refinados em sua formação musical eram apoiados pelos europeus, e para aumentar ainda mais sua qualidade, era esperado que fossem estudar na Europa diretamente, se estivessem dispostos. Homens como William Mason (1829-1908), John Paine (1839-1906), Horatio Parker (1864-1919) dentre outros, foram treinados na Alemanha ou Áustria e retornaram aos Estados Unidos para escreverem suas músicas.

Paine, como muitos outros compositores, foi um organista cristão nas igrejas em torno de Boston, e encorajou as igrejas a adotarem o estilo de música clássico europeu na liturgia dos cultos, além de escrever suas próprias músicas.

Música secular adaptada para o culto cristão - Porém, muitas igrejas não tinham condições de ter um coral e orquestra. Então, para suprir esta necessidade, começaram a formar quartetos vocais operísticos. Os cantores eram colocados nos púlpitos e cantavam passagens "cristãs" dos trabalhos de Rossini e outros, além de algumas adaptações de óperas. Logo, muitas de nossas músicas cristãs tradicionais surgiram de compositores e músicas não cristãs.

Dudley Buck (1839-1909) escreveu inúmeros hinos para estes quartetos, em inglês e latim. Era um tipo de música mais informal, sem a necessidade de tanta técnica ou aparatos. Aqui começa o início da influência musical vinda de fora da igreja.

Um pouco antes dos anos 70, nos Estados Unidos, os hinos tradicionais foram repentinamente banidos da liturgia. Um surto de criatividade irrompeu de cristãos envolvidos com o movimento carismático. A ênfase estava no dom do amor, claro que não o mesmo amor livre e irresponsável dos anos 60, mas, mesmo assim, carregando um pouco da influência do movimento hippie. As novas canções tinham a mesma estrutura de verso-refrão das músicas tradicionais, mas a produção musical estava em um nível mais elevado que no passado. Assim surgiram os primeiros "hinetos" que os jovens começaram a cantar nos cultos junto com os hinos mais tradicionais.

Conclusão -
O mundo sempre passou por mudanças, e continuará passando. É uma tendência humana querer melhorar, mesmo que o resultado muitas vezes não seja o esperado. O contra-ponto destes movimentos de mudanças é o fato de alguns setores da sociedade, ou do grupo em questão, estarem resistentes a qualquer mudança. Então, em toda época, há este paradoxo social, de querer a mudança e estar resistente a ela.

A igreja sofre, em um certo sentido, a influência do mundo, pois ainda está no mundo, não lhe é possível sair por enquanto. Quando a Bíblia diz para não tomar a forma do mundo, quer dizer para não absorver os valores deturpados do mundo e não há relação alguma com liturgia.

Durante a década de 60, o mundo experimentou muitas mudanças em todas as esferas. A igreja certamente não poderia ficar inerte diante de tantas mudanças, e precisou em alguns momentos se opor a estas mudanças; em outros momentos precisou se adequar às mudanças.

Nos dias de hoje, é praticamente inconcebível pensarmos numa igreja sem guitarras e amplificadores, assim como é dificil pensar numa igreja sem o seu hinário, coisas que, em épocas bem diferentes da história, foram um dia consideradas um tabu.

Cabe então à igreja a tarefa de separar o que são ensinos contrários à Palavra, e o que é puramente cultural, pois o evangelho não depende de cultura alguma.

Juliano Fabricio via
 

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (296) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (74) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (41) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (285) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações