Foi grande, porém, o clamor do povo e de suas mulheres contra os judeus, seus irmãos. (Ne 5:1)

O trabalho de reconstrução dos muros, em Jerusalém, foi duramente atacado pelos inimigos do povo de Deus. Eles debocharam, conspiraram, ameaçaram, tudo para tentar fazer a obra parar. Mas não conseguiram. O post de hoje, de alguma maneira, também trata de uma situação que, se não fosse resolvida, atrapalharia o trabalho de reconstrução. O ataque dos inimigos, registrado no capítulo 4, é externo e direto, mas o problema relatado no capítulo 5 do livro de Neemias é interno e muito mais perigoso. O problema a que nos referimos é a injustiça social.

Como o problema surgiu:

Aumento populacional, juros abusivos, impostos elevados, corrupção, fome, opressão para com os menos favorecidos. Parece que você está lendo notícias nos jornais de hoje, não é verdade? Não! São notícias de fatos ocorridos há quase vinte e cinco séculos. Os oprimidos clamaram a Neemias, o seu líder. Até as mulheres, que, geralmente, não se manifestavam, se envolveram no protesto. Diante dos protestos e reclamações, o líder reagiu. Suas ações trazem relevantes ensinamentos que servem como resposta à pergunta tema deste estudo: Como lidar com a injustiça social?

O povo não foi se queixar a Neemias sem razão. Havia fome naqueles dias (Ne 5:3), sendo as possíveis causas: seca e falta de produtividade na lavoura, porque a terra não fora cultivada de forma a suprir a necessidade das centenas de pessoas que invadiram a cidade, por ocasião da restauração dos muros de Jerusalém. Segundo a reclamação do povo, a fome ocasionou a seguinte situação: Para não morrermos de fome, nós tivemos de penhorar os nossos campos, as nossas plantações de uvas e as nossas casas a fim de comprar trigo (Ne 5:3–NTLH). Além da fome, havia a cobrança de impostos de todos os súditos de Artaxerxes, que controlava o mundo conhecido. Os cobradores desses impostos exigiam mais que o tributo oficial e ficavam com a diferença, uma espécie de lucro extra. Para pagar os elevados impostos, os pobres tinham que vender seus filhos e a si mesmos como escravos (Ne 5:5). [1] A culpa dessa situação lastimável se devia, em muito, aos governadores que antecederam Neemias. Eles deram sua contribuição para o aumento da injustiça social. No capítulo 5:15, são citadas três práticas que prejudicaram a nação. Primeiro: oprimiram o povo, ou seja, aumentaram impostos; segundo: ... tomaram pão e vinho, além de quarenta ciclos de prata, possivelmente, uma atitude ilegal; terceiro: seus moços dominavam sobre o povo, ou seja, promoveram líderes não pela competência, mas pela conveniência. Colocaram em cargos estratégicos parentes, amigos e pessoas que não os contrariariam, independentemente do que seria melhor para o povo. Veja que situação lastimável!

Ao tomar conhecimento da situação, Neemias teve duas reações. Em primeiro lugar, ficou aborrecido, irritado, furioso (Ne 5:6). A palavra hebraica traduzida por “furioso” traz o sentido de “estar quente, tornar-se irado, inflamar-se”. É bom que se diga que não foi um acesso de raiva pecaminoso, mas uma indignação justa, ante a opressão imposta aos seus irmãos. [2] Neemias era homem de coração sensível, ele não agia com indiferença, frente às necessidades dos seus conterrâneos. Só o fato de estar em Jerusalém era prova suficiente disso. Em segundo lugar, depois de ficar furioso, Neemias se pôs a pensar sobre a situação. Ele não agiu baseado na precipitação. Em Ne 5:7, lemos: Depois de ter considerado comigo mesmo. O momento exigia prudência. A Nova Bíblia Viva traduz esse texto assim: Depois de pensar sobre o assunto. O termo hebraico para considerar ou pensar, conforme usado no texto significa “aconselhar a si mesmo”. [3] Embora não seja mencionado, é certo supormos que Neemias orou antes de agir. Ele procurou estar a sós com Deus para colocar diante do altíssimo suas emoções, enquanto pensava consigo mesmo sobre a melhor saída para a situação. Precisava pensar e encontrar a solução mais adequada àqueles problemas. Se ele nada fizesse, pareceria insensível aos olhos de seus liderados e sua liderança não estaria voltada também para os mais carentes.

Depois de pensar e avaliar a situação, Neemias agiu, convocando uma grande reunião (v. 7b). Será que essa reunião era mesmo necessária? Pelo que vimos até aqui, sim. O povo de Deus estava tirando vantagem dos seus próprios irmãos! Além de tudo que mencionamos anteriormente, ainda havia aqueles que, aproveitando- se da falta de recursos de seus irmãos, emprestavam dinheiro com taxas elevadas de juros e exigiam como garantia que hipotecassem suas propriedades. Ao agir assim, descumpriam as ordens de Deus: Se teu irmão empobrecer, e as suas forças decaírem, então, sustentá-lo-ás (Lv 25:35-40), e ainda: A teu irmão não emprestarás com juros (Dt 23:19-20). Neemias convocou uma assembléia e confrontou os espertalhões, dizendo: estão cobrando juros exorbitantes de seus irmãos, isso não é certo (v. 7); estão promovendo a escravidão permanente entre os judeus, esse é outro erro (v. 8), e estão se tornando iguais às outras nações, isso é um drama. Ele os chama à pratica correta: Não é bom o que fazeis; porventura não devíeis andar no temor do nosso Deus ...? (v. 9). Precisavam voltar-se às instruções divinas. Ao proibir que cobrassem juros, Deus tinha como objetivo abençoá-los (Dt 23:20).

A procrastinação é um grave erro: o regime será iniciado na próxima segunda-feira, o novo curso será iniciado depois, o pecado será abandonado amanhã. Neemias não pensava assim. Para ele, a mudança precisa começar agora. Ele próprio havia emprestado dinheiro e cereal (v. 10), e sua prática estava de acordo com a lei (Dt 15:2). Existem ocasiões em que uma ação pode ser legalmente correta, mas moralmente inoportuna. A gravidade da pobreza do povo exigia dádivas e não empréstimos, e ele não apresenta desculpas, mas diz: E agora vamos perdoar essa dívida (v. 10 – NTLH). Ele se inclui. Em seguida, Neemias convocou os ricos opressores a decidir: Restituí-lhes hoje, vos peço, as suas terras, as suas vinhas, os seus olivais e as suas casas, como também o centésimo do dinheiro, do trigo, do vinho e do azeite que exigistes deles (v. 11). Eles se comprometeram (v. 12). Neemias queria que assumissem compromisso oficial diante das autoridades competentes: Então, chamei os sacerdotes e os fiz jurar que fariam segundo prometeram (v. 12). A injustiça afetava a todos; por isso, as decisões deveriam ser públicas. Qualquer pendência serviria de argumento para não se cumprirem as decisões; então, nada ficou para depois.

Diante de todas essas injustiças, Neemias se portou de maneira exemplar. Preocupou-se mais com os interesses dos outros do que com os seus. Brilhante é a sua declaração esclarecendo a diferença entre ele e seus antecessores. Suas palavras são poucas: ... porém eu não fiz assim (Ne 5:15). Neemias não foi o tipo de líder que criticava os outros e fazia igual. O líder egoísta explora os outros para que as coisas aconteçam do jeito que ele quer; coloca-se como o centro das atenções e insiste em que tudo deva acontecer do seu jeito e no seu tempo. [4] Neemias não era o tipo que se preocupava com o que é popular; sua preocupação era fazer o que era direito. Ele agia diferentemente “por causa do temor de Deus” (v. 15). Sua fé o levava a escolher o que é certo. Neemias foi servo do povo e não explorador deste. Ouviu-lhe as queixas, mobilizou-o, protegeu-o, saiu em sua defesa e lidou sabiamente com o problema. Ele quebrou o ciclo de corrupção rompendo com os costumes tradicionais (vs. 14-15), fez reforma de contenção de gastos e se colocou como o primeiro da lista (v. 16); seus moços, ao invés de explorar os outros, trabalharam. Neemias pagou com seus recursos as despesas do governo, sem cobrá-las dos cofres públicos (vs. 17-18). Agindo assim, abriu mão de direitos garantidos: ... nem por isso exigi o pão devido ao governador (v. 18).

Pois bem, vimos, até aqui, que a injustiça social não é um problema apenas do nosso tempo. Desde a época de Neemias, o povo de Deus sofre com isso. Todavia, desde essa época, sempre houve aqueles (uma minoria, na verdade) que preferiram ser fiéis ao Senhor e andar na contra mão do seu tempo. Neemias, com a ajuda de Deus, soube lidar sabiamente com as injustiças sociais que via diante de si. Ele pensou sobre as situações, convocou uma assembleia, decidiu, orientou, chamou à atenção, enfim, não ficou parado e nem indiferente às injustiças que assolavam o povo. O que podemos fazer, diante das injustiças do nosso tempo?

APLICANDO A PALAVRA DE DEUS EM NOSSA VIDA

1. Perante a injustiça social, não fique indiferente.
A injustiça social ao seu redor pode acontecer em situações aparentemente pequenas, mas Deus espera que você não fique indiferente, ante o clamor e o sofrimento dos outros. A indiferença é pecado contra o próximo e contra Deus. Jonas pecou, enquanto ficou indiferente para com o futuro dos ninivitas. Recém-nascidos são abandonados, crianças são exploradas com trabalhos escravos, adolescentes são exploradas sexualmente, famílias pobres e sem instrução são oprimidas, políticos e líderes prometem justiça, mas se vendem por dinheiro ou poder. Dá para fazer de conta que nada disso acontece?

2. Perante a injustiça social, viva de modo exemplar.
Neemias foi a Jerusalém atendendo ao chamado divino. Seu desejo não era poder, sexo ou dinheiro, como muitos que se acham no topo, mas era a manifestação da glória de Deus sobre a cidade em restauração. Com ele, aprendemos que o servo de Deus pode ser diferente do seu meio. Não é pelo fato de que todos fazem algo que devamos imitá-los. Pode surgir um esquema para burlar a lei, para ganhar mais dinheiro, para uma nova promoção. Por causa do temor de Deus, o crente é diferente. Os esquemas podem ser bem elaborados e tardiamente descobertos, mas o crente sabe que Deus vê tudo.

3. Perante a injustiça social, seja um transformador.
Todo cristão é um conformado ou um transformador. Os “conformados” são aqueles cujas vidas são controladas pelo meio, enquanto que os “transformadores” são aqueles cuja vida é controlada pelo interior. Um é espremido para dentro dos moldes do mundo; o outro transforma o mundo. Diante da injustiça, precisamos ser transformadores. Estes consideram a situação e refletem consigo mesmos, analisam fatos e desejam a melhor solução, e só depois de chorarem e orarem em secreto encaram o desafio em público! Podem até tremer diante dos perigos, mas não saem da trilha e não retrocedem. São valorosos porque têm uma causa pela qual vale a pena viver e morrer, e sabem que estão do lado certo. A injustiça social é o nocaute para os fracos, mas nela se descobrem os heróis. Eles são altruístas, amam as pessoas, amam a Deus, amam a verdade.

CONCLUSÃO

Neemias teve de enfrentar problemas deixados por seus antecessores: esquemas de corrupção, pessoas infiltradas no governo para garantir o esquema, auto enriquecimento. Neemias é exemplo de como superar a injustiça social: não se deixou envolver no esquema; manteve-se no temor a Deus; liderava o povo, estava junto dele, era seu defensor e trabalhava com o povo e pelo povo. Suas atitudes deixaram claro que ele estava interessado no bem-estar de seus liderados e não em sua conta bancária; estava preocupado com a segurança dos subordinados e não com suas aventuras pessoais. Façamos o mesmo!

Bibliografia

1. SWINDOLL, Charles R. Liderança em tempos de crise: como Neemias motivou seu povo para alcançar uma visão. São Paulo: Mundo Cristão, 2004. pág. 92

2. WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo: Antigo Testamento. Vol. 2. Santo André: Geográfica: 2008. pág. 639

3. SWINDOLL, Charles R. Liderança em tempos de crise: como Neemias motivou seu povo para alcançar uma visão. São Paulo: Mundo Cristão, 2004. pág. 92

4. WIERSBE, Warren W. Comentário Bíblico Expositivo: Antigo Testamento. Vol. 2. Santo André: Geográfica: 2008. pág. 639
via

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (298) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (76) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (42) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (287) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações