O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB), cujos resultados saíram recentemente, mostram que mais de 70% dos municípios alcançaram a meta de melhoria na qualidade dos anos iniciais do Ensino Fundamental. Quanto aos anos finais, 62,5% alcançaram a nota proposta para 2011. E o governo comemora. Mas será que as notas entre 3,4 e 5,1 na rede pública contra 5,8 e 6,5 na rede privada são dignas de comemoração? E será que essas provas “medem” o que em si não é mensurável, que é o aprendizado e formação do cidadão? 

Na medida em que se entenda por educação a formação do cidadão e da pessoa humana, ela não pode ser medida e muito menos classificada, como faz o governo. O IDEB não mostra a boa saúde da educação, mas apenas as suas doenças. O que esse índice mede antes é a antipedagogia e o descaso com a educação. Trata-se de apenas um sintoma de uma doença grave. A educação está doente e precisa de médico: a violência crescente, a concorrência com a tecnologia na busca do saber, a crise de valores e da ética, o interesse reduzido pelos cursos de pedagogia e normal, a falta de campo de atuação para os pedagogos, as drogas. Tudo isso nos leva a crer que se trata de indícios de algo muito mais profundo e que se encontra nas entrelinhas de cada um dos sintomas mencionados. 

Trata-se da política educacional. Por política eu não quero dizer o que fazem nas prefeituras e nas câmaras legislativas, mas aquilo que deriva de “polis”, o conceito grego de “cidade”, tão esquecido nos meios educacionais e junto às massas de hoje. Político é gari que varre a rua, políticas são as inúmeras mulheres que trabalham e dependem de creche para deixar os filhos, políticos são os caixas de banco e políticos são os cristãos que se encontram nesse meio do dia a dia. Pois política é equivalente a cidadania, que por sua vez, é incumbência do sistema de ensino. 

Mas onde se está valorizando a cidadania nas escolas? Quem valoriza esse discurso, muito inspirado no mais citado brasileiro no exterior, mas completamente anônimo no Brasil, Paulo Freire, autor de “Pedagogia do Oprimido” e “Pedagogia dos Sonhos Possíveis”, e “Pedagogia da Autonomia”? 

Quando eu estava na faculdade, me graduando em pedagogia, o discurso predominante era marxista e a doutrina, a teologia da libertação. Mas agora que esse discurso e a doutrina estão em crise, o que resta na educação? Um paradigma foi superado, mas nenhum outro foi posto no seu lugar. Então a educação é cada vez mais um não-lugar, uma propriedade desapropriada, uma terra de ninguém. Quem são os grandes educadores de hoje? 

Dizia Paulo Freire que as escolas devem, sim, ensinar a ler e escrever, não apenas livros, mas o mundo a nossa volta. Quantas são as escolas que ensinam a cidadania, a autonomia e o sonho? Qual é o espaço dado nos currículos já inchados e conteudistas, que é um dos pontos políticos da escola? Melhor perguntar o que não está nos currículos, que propõe a educação sexual, conhecimentos sobre os povos africanos e indígenas, mas não a cidadania, paz, sabedoria, esperança e sonho. É claro que as iniciativas do governo são importantes, mas devemos combater a ideia de que a política é feita pelos políticos, e assumir que políticos somos todos nós, inclusive pais, professores e alunos. 

O que se faz depois que a porta da sala de aula é fechada? Quantos são os professores que ensinam cidadania, paz, sabedoria, esperança e sonho, e principalmente o amor, como ingredientes básicos para remediar e medicar a educação? 

C. S. Lewis, já na sua época, exclamava: “Céus, o que é que estão ensinando nessas escolas?” Se os currículos se resumem a conteúdos, a concorrência com a tecnologia será desleal. Se a educação não for um espaço de qualidade de vida, de sonho e sabedoria, dificilmente ela sobreviverá aos novos tempos. Pois essas coisas nenhuma rede vai ensinar (antes pode ser uma anti-pedagogia). Ele também dizia que na educação “não importa derrubar árvores, mas regar desertos”. E a nossa educação é mais do que um deserto, é um deserto ermo, árido e devastado pelos modismos e perda de valores. 

Quem se habilita a implantar um sistema de irrigação? 

Gabriele Greggersen - É mestre e doutora em educação (USP) e doutoranda em estudos da tradução (UFSC).

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (296) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (74) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (41) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (285) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações