Com certeza você já conheceu aquele tipo de pessoa que adora discutir religião, frequentemente cita passagens bíblicas e versículos diante de uma situação e, sempre que encontra uma brecha, reforça aquilo que tanto defende (com palavras, objetos e até mesmo atitudes). 

O tipo de pessoa que “espiritualiza” tudo e todos. São rígidas na forma com que o cristão deve se portar e, quando surge um contra argumento às suas palavras, são rápidas para desconfiar e criticar. É comum nos depararmos com aquele que se assenta na cadeira de juiz para falar de idolatria, mas, diariamente, vive idolatrando seus líderes, pastores, cantores, ministérios e a si mesmo (meus projetos, meus sonhos, minhas decisões… acima de qualquer coisa); Jesus já não é o centro na vida de muitos que o dizem. 

Talvez conheçamos alguém com algumas dessas características (ou, talvez pior, nós tenhamos algumas delas). Infelizmente, a maioria dessas pessoas se dizem livres, porém, são completamente controladoras de si mesmas e vivem se escondendo por trás de uma “capa de super- herói”; dúvidas, inseguranças e crises que virão à tona e as surpreenderão, já que é algo normal na vida de qualquer ser humano. 

Pessoas que dizem ter uma vida totalmente entregue a Deus, porém, vivem por controlar e ditar a vida dos outros. Lamentavelmente, alguns utilizam a religião para encobrir conflitos, ao em vez de usá-los para se ligar mais a Deus. Usam os padrões religiosos para se sentirem melhores e eles acabam se tornando um vício garantindo-lhes um falso poder, uma falsa paz e uma falsa sensação de estabilidade espiritual. 

Quando Jesus advertiu a forma com que os escribas e fariseus se comportavam, usando sua religiosidade para parecerem mais íntegros, Ele não poderia ser mais claro. Para Ele a sinceridade, baseada em relacionamento e comunhão, era muito mais importante do que aquela baseada em dogmas. Ele falava de sinceridade e compromisso e não de utilitarismo. Não estamos mais debaixo do insuportável peso da Lei; esse fardo não nos pertence; não precisamos agir como se o carregássemos. 

E isso nos leva à seguinte pergunta: “onde está o verdadeiro amor? Amor pelo próximo, pelo evangelho genuíno, pela comunhão, pelo respeito, pela obra na qual estamos inseridos? Por que perdemos tempo com tanta bobagem e nos desviamos dele?”. …Alguns insistem em deixá-lo pregado na cruz..Precisamos voltar àquilo que o Mestre veio nos ensinar, princípios que, por vezes, deixamos de lado para aceitarmos o farisaísmo (se é que podemos dizer assim) em nossas vidas. ….A íntima comunhão, a sinceridade e o amor a Deus precisam prevalecer em nós. “Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor.” [1Co 13.13] 

Lara Souza Freitas, no Juve Metodista Título original: Mais amor via: pavablog

1 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (298) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (76) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (42) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (287) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações