É bem verdade que vivemos em um tempo em que as relações estão a cada dia mais descartáveis. Nós somos partes de uma geração cuja presença, e cujo interior, e em cujo meio os absolutos inexistem. Tudo é relativo. Vivemos em um tempo de profunda relativização. E, por isso, as relações e quase tudo que a gente faz se tornam descartáveis. 

Os seres humanos não são mais o próximo a ser amando; os seres humanos são o próximo a ser usado.

Os seres humanos não se amam, e essa é a marca da iniquidade. Por se multiplicar a iniquidade o amor de muitos esfriariam. A injustiça, a maldade, a tirania se multiplicam com tanta intensidade[1] que é romanticamente inevitável que o amor não se congele. São duas vias que seguem a mesma direção: iniquidade de um lado e esfriamento do amor de outro.

Quem não ama usa! É por isso que nesse quadro tudo termina com tanta facilidade. O amor está em tudo, e ao mesmo tempo em lugar nenhum. Cantamos sobre o amor, escrevemos, lemos, pregamos, mas de fato não o vivemos; não amamos.

Além de relativizados, nossos relacionamentos foram tomados de um espirito totalmente consumista. O mesmo verbo “comer” é usado tanto pra um quanto pra outro. Do mesmo modo que como uma pizza e jogo as bordas fora, também “comemos” o nosso próximo da maneira mais pejorativa possível. Usamos e depois descartamos, tanto gente quanto objetos.

Não nos espantamos com a iniquidade. Mães abandonam seus filhos, mendigos são queimados nas ruas, filhos assassinam suas mães, casamentos são desfeitos aos montes a cada dia pelos mais variados motivos, e a lista não para aqui. Vivemos em um mundo doente, e sinceramente não sei por onde começar a mudar essa brincadeira.

O amor é a verdadeira revolução. Mas, como usar essa ferramenta tão relativizada e ao mesmo tempo tão desgastada? Chegará o tempo em que aqueles que amam de verdade não se dobrarão a esse discurso, não usarão mais essa palavra, não se renderão à tentação de usar essa homilia politicamente correta e hipócrita. Chegará dias em que falar de amor chegará a ser considerado insanidade, e praticá-lo, uma fantasia.

[1] E isso chega a ser muito contraditório. Os evangélicos brasileiros todos os dias se gloriam pelo crescimento institucional. Ou seja, os evangélicos aumentam, mas também aumenta a corrupção, a injustiça, a maldade, o pecado, etc. Algo a se ponderar.


0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (298) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (76) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (42) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (287) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações