Somos seres finitos. Mas, finitos em quê? Será que a morte é o nosso único fim? Será que só percebemos a finitude quando um parente ou amigo próximo morre? 

Não, é certo que a finitude nos ronda em qualquer ato que possamos realizar. Somos seres finitos a cada segundo em nossas vidas. Se pensarmos na finitude em um sentido amplo, ela significa toda nossa limitação e fragilidade. E em um sentido restrito ela seria pré – condição de nossa liberdade de escolha. 

Cada escolha dá fim a outras tantas, e isto nos angustia. Cada projeto que faço põe fim a tantos outros, pois as possibilidades são infinitas. Isto é uma tremenda crueldade: a escolha é finita e as possibilidades de escolhas são infinitas. Ora, temos que há todo momento pensar se fizemos a melhor escolha em detrimento (fim) de tantas outras. Para cada escolha há infinitas outras que não escolhemos. Isto é muita responsabilidade! Melhor pensarmos na finitude só na hora da morte. E enquanto ela não chega, vamos deixando que o acaso ou o destino escolha por nós. Aí, quando menos agente espera ela (a morte) bate a porta. Nos desesperamos pelas escolhas que não fizemos, pelas que poderíamos ter feito, e por aquelas que fizemos. Um caos total, onde queremos ganhar o tempo perdido, aproveitar o que nos resta. Se é diante de nossa própria morte isto se dá em relação a nós mesmos, se diante da morte do outro isto se passa na relação que temos com ele. 

A morte é um aviso de que há fim implícito em tudo que fazemos. E isto não deve ser entendido com uma visão pessimista, mas sim com uma visão otimizada de cada escolha que estaremos por fazer. A morte, segundo Heidegger, se repete em cada situação de escolha. Para ele, assumir a morte como possibilidade presente a cada instante, é o mais responsável passo na busca de uma existência autêntica e criativa. Mais do que finitos, somos livres para escolher, com toda angústia inerente a este processo. Quando escolhemos de forma consciente do que estamos perdendo e ganhando e para quê estamos escolhendo, somos sujeitos de nossa existência. E, então poderemos morrer e deixar morrer, dizendo que foram feitas as melhores escolhas até aquele momento. 


0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (296) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (74) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (41) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (285) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações