Transgredir normas e regras 
é a verdadeira expressão da liberdade 
e somente os fortes 
são capazes desta ousadia. 
Mirilena Chaui, em Convite a filosofia. 

Não acredito em instituições, mas, sobretudo, creio piamente naquilo que Deus institui. Ora, para o Nazareno, a Igreja nunca esteve limitada a algum tipo de espaço geográfico, porém, onde estivesse dois ou três em nome dele, ali ele estaria também. E esse ali, não se resume neste ou naquele monte, nem neste ou naquela catedral especifica, pois, o que Deus institui, ele estabelece na alma, no coração, simplesmente por que o seu Reino não vem com visível aparência. Unicamente por que o seu Império não é comida e nem bebida. 

A deficiência das instituições é simplesmente por que elas são instituições, e sendo assim, todas elas ambicionam petrificar algo que deveria fluir como um rio. O Novo Testamento não nos dá base para criar algo permanente no âmbito exterior da nossa existência, pois tudo passa por um processo de mudança nesse mundo, e nesse procedimento, o Espírito trabalha como uma força criativa e dinâmica de vida, diferente da instituição, que em nossa pretensão de perpetuar algo bom, criamos um ambiente destrutivo, rígido e ortodoxo. 

A igreja tem que (e vai) morrer, pois a Bíblia nos revela esse processo, a história nos mostra esse desenvolvimento. “Se o grão de trigo caindo na terra não morrer ele ficará só, mas se ele morrer dará muito fruto”. Muita energia já foi e está sendo gasta para eternizar o “grão de trigo”, ora, um elemento com vida cíclica não pode ser perpetuado. Nosso compromisso é com o nosso tempo, com os nossos dias. Paulo afirma que “Davi serviu a sua própria geração, segundo a vontade de Deus”, ou seja, sua genealogia foi perpetuada, mas não as diretrizes seu reino. Vemos que muitas coisas do reinado de Davi foram ignoradas no reinado de Salomão. No Reino inaugurado pela vinda de Cristo também foram rejeitadas várias (se não todas) normas de procedimentos tidas como honrosas do reino de Salomão. 

O Evangelho tem um caráter puramente subversivo em relação ao modo institucional da igreja. Jesus derruba todos os lugares-comuns de lideranças hierárquicas, já que para o mestre Nazareno “as autoridades são postas para manter domínio”, porém, entre seus discípulos “não será assim, o maior é aquele que mais serve”. Estamos diante de igrejas que querem ser servidas, sem contar nas megalomanias de seus lideres. Cristo nos instiga a ser livres diante da vida e da existência, todavia, a igreja exclui a liberdade, a poesia e a beleza, e o que resta é uma lista com tamanha caduquice, cheia de horários para cumprir, abarrotadas de responsabilidades desinteressantes e cansativas, que na verdade – pasmem – não serve pra nada. 

É sempre interessante e sucinto que a igreja use como lubrificante social variadas regras e proibições, e nesse caso é realmente espantoso conceber a liberdade que Cristo nos outorgou. Jesus evitou por completo as armadilhas religiosas e, portanto rasa, de proibição e recompensa. Não gastou um minuto da sua vida ventilando teologia ou reduzindo a ética a uma resposta “sim ou não” para um problema complicado. Era contando historias que ele revelava e apontava o seu Reino. Os ideais de Jesus eram tão ambiciosos que ele não só oferecia liberdade, mas também emancipação e autonomia de escolhas e decisões para cada um de nós: “por que vocês não decidem por si mesmos o que é certo?” pergunta Jesus (Lucas 12:57). 

Nenhum autor do Novo Testamento entendeu melhor essa afirmação do que o apóstolo Paulo: “Tudo é puro para os que são puros; mas nada é puro para os impuros” (Tito 1.15), “Por estar unido com o Senhor Jesus, eu estou convencido de que nada é impuro em si mesmo” (Romanos 14.14), “Felizes as pessoas que não se condenam naquilo que aprovam (Romanos 14.23)”. Nenhuma instituição estabelecida nesse planeta entendeu de fato essas declarações. Elas foram ignoradas sem nenhum peso na consciência ao largo de dois mil anos. E contundentemente Paulo continua: 

“Portanto, que ninguém faça para vocês leis sobre o que devem comer ou beber, ou sobre os dias santos, Festa da Lua Nova, e o sábado. Tudo isso é apenas uma sombra daquilo que virá; a realidade é Cristo. [...] Vocês morreram com Cristo e por isso estão livres. Então, por que é que vocês estão vivendo como se fossem deste mundo? Não obedeçam mais a regras como estas: “Não toque nesta coisa”, “não prove aquela”, “não pegue naquela”. Todas essas proibições hão de perecer pelo uso. São apenas regras e ensinamentos que as pessoas inventam. De fato, essas regras parecem ser sábias, ao exigirem culto voluntário, falsa humildade e um modo duro de tratar o corpo. Mas tudo isso não tem nenhum valor para controlar as paixões da carne” (Colossenses 2.16-23). 

O que Paulo está fazendo é lutando efetivamente contra a institucionalização do Evangelho, contra o “trafico da religião” que é o negócio mais rentável do mundo, estando na frente do álcool, da maconha e da cocaína, por exemplo. Isso por que as instituições trabalham com o débito, com o medo e com a culpa. Com a ausência de débitos as instituições não tem como sobreviver. A moral inventada pelas religiões nos deixa em dívida invariavelmente com Deus, ou com as instituições que o representa aqui, pois, transgredimos essa moral constantemente. E isso nos leva a culpa, e a culpa nos leva a vontade de se purificar – o principal motivo que levou ao surgimento da moral religiosa. Por isso, as autoridades religiosas, ou a própria religião é (aparentemente) uma autoridade superior à qual se obedece, não porque ordene o que é “melhor”, mas simplesmente porque ordena, e questioná-la já é uma imoralidade. É o medo perante essa “inteligência” superior que ordena, que nos leva a agir de cabeça baixa sem o menor senso crítico. 

Jesus de Nazaré desmantela todos esses trâmites nos absorvendo incondicionalmente, de forma totalmente integral e – por incrível que pareça – gratuito. Todos esses padrões de débito, culpa e medo é naufragado no mar da Graça. O anúncio de Jesus em relação à disponibilidade de absorção universal de medo e culpas desfere pancadas não só a instituições religiosas, mas também a qualquer sistema politico ou econômico estabelecido. 

Agora entenda uma coisa; você não deve mais nada, tudo já foi pago. Esqueça os ritos, os dogmas, as proibições, as regras, as campanhas, as recompensas, os castigos e todas as ilusões que essas coisas trazem – ou seja, a dívida, a culpa e o medo. 

Consegue viver com tamanha liberdade distraído leitor? 


0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (296) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (74) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (41) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (285) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações