No clássico de John Bunyan, O Peregrino, a Porta Estreita é um símbolo para a entrada na vida cristã. Lá, o personagem principal, Cristão, encontra o porteiro, Boa-Vontade. O encontro deles, como o resto do livro, é cheio de significados dos quais peregrinos modernos farão bem em prestar atenção: 

Quando o peregrino estava totalmente dentro, Boa Vontade perguntou à ele: “Quem te mandou para aqui? 

CRISTÃO – O senhor Evangelista, que me disse: Vai ali, e bate à porta; lá ensinar-te-ão o que te convém fazer. 

BOA VONTADE – Tens aberta uma porta que ninguém poderá fechar-te. 

CRISTÃO – Quão venturoso sou! Começo a colher o fruto da minha ousadia. 

BOA VONTADE – Então, vieste só? 

CRISTÃO – Vim; porque nenhum dos meus vizinhos conheceu, como eu, o perigo em que se achava.” 

A batalha acaba de começar 

Como peregrinos nessa jornada para a Cidade Celestial, precisamos reconhecer o fato de que nascer na fé em Cristo é o fim da nossa inimizade com Deus, mas de modo algum o fim da guerra. Obstinado, Flexível, o Pântano da Desconfiança, e o Sr. Sábio-segundo-o-mundo, tudo foi obstáculo na jornada do Cristão pela Porta Estreita. Contudo, de várias maneiras, o pior estava por vir. Semelhantemente, nossa batalha com o mundo, a carne, e o Diabo só intensifica uma vez que passamos da morte para vida. 

Velhos padrões de pensamento, tendências culturais e o constante bombardeio de imagens e ideias podem obscurecer o caminho para a Cidade Celestial. Atravessar a Porta Estreita não é o fim da questão. O mundo pode não ser mais nossa “casa”, mas ainda é onde vivemos. Como peregrinos, devemos reconhecer nossa necessidade de renovar nossas mentes constantemente. (Romanos 12:2), mortificar a carne (Gálatas 5:24), e resistir ao Diabo (Tiago4:7). 

Como Cristão, devemos guerrear com Apolião e lutar pra nos manter no “reto e estreito caminho”. Então, claro, há a tentação da Vaidade. A pior coisa que pode acontecer a ele não é perder a vida, mas perder o testemunho. O maior perigo para o peregrino é desenvolver amor por algo, qualquer coisa, mais do que o amor que ele tem pela Cidade Celestial. Por isso os meios ordinários de graça se tornam mais importante com o passar do tempo. A pregação da Palavra, a festa e a comunhão da Mesa do Senhor: essas são jóias inestimáveis que nos lembram da glória decadente das coisas que conhecemos, e nos levam a ecoar o grito do Apóstolo: “considero tudo como perda, comparado com a suprema grandeza do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor, por cuja causa perdi todas as coisas. Eu as considero como esterco para poder ganhar a Cristo” (Filipenses 3:8). 

Há outros em necessidade além daqueles que você encontrou 

É impossível para um peregrino ficar diante a Porta Estreita sem pensar nos seus amigos, vizinhos, e membros da família que não estão lá. Foi isso que Paulo experimentou em Romanos 10:1 quando ele escreveu, “Irmãos, o desejo do meu coração e a minha oração a Deus é que eles sejam salvos.” Todo homem, mulher e criança no seu caminho para Cidade Celestial tem sentido o mesmo anseio. Ainda sim, devemos continuar a viagem. 

Para Cristão, existe uma constante tensão entre o chamado da Cidade Celestial e seu amor por seus amigos e família que não viram “o perigo em que se acham”. E ele, como todos os peregrinos, deve reconhecer que abandonar a trajetória não é só impensável nesse ponto da sua vocação, mas também é catastrófico para aqueles que ele desesperadamente deseja que se juntem a ele. O único jeito de engrandecer o caminho para os outros é se manter nele. 

Essa cultura pós-cristã quer nos fazer acreditar que o único jeito de testemunhar efetivamente a Cristo é “contextualizar”, de uma forma que, essencialmente, deixa o caminho. Temos que caminhar, falar, vestir, viver, e amar como o mundo no objetivo de ganhar o mundo. No entanto, o oposto é verdadeiro. É, de fato, reto e estreito o caminho para a Cidade Celestial que nos conforma à imagem de Cristo. É nele que aprendemos a real verdade de que somos testemunhas. E o nosso desejo é ter outros se juntando a nós nesse caminho, não distrair-nos dele. 

Como Cristãos peregrinos, devemos perceber que a jornada que estamos é longa e repleta de dificuldade. O porteiro não veio para trazer paz, mas a espada (Mateus 10.34). Além disso, Ele promete que nós seremos odiados pelo mundo (João 15:18; 17:14). Apesar disso, não somos melhores que o mundo que nos odeia. A única diferença é a graça que recebemos. Sendo assim, não temos lugar para vanglória. (Romanos 3:27), mas temos mais motivos de nos alegrar e uma mensagem para dividir com um mundo cheio de vizinhos que simplesmente precisam ver o perigo que eles se encontram, como vimos o nosso. 

Traduzido por Débora Batista | iPródigo.com | Original aqui

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (298) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (76) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (42) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (287) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações