”O entendimento dos símbolos e dos rituais (simbólicos) exige do intérprete que possua cinco qualidades ou condições, sem as quais os símbolos serão para ele mortos, e ele um morto para eles. 

A primeira é a simpatia; não direi a primeira em tempo, mas a primeira conforme vou citando, e cito por graus de simplicidade. Tem o intérprete que sentir simpatia pelo símbolo que se propõe interpretar. 

A segunda é a intuição. A simpatia pode auxiliá-la, se ela já existe, porém não criá-la. Por intuição se entende aquela espécie de entendimento com que se sente o que está além do símbolo, sem que se veja. 

A terceira é a inteligência. A inteligência analisa, decompõe, reconstrói noutro nível o símbolo; tem, porém, que fazê-lo depois que, no fundo, é tudo o mesmo. Não direi erudição, como poderia no exame dos símbolos, é o de relacionar no alto o que está de acordo com a relação que está embaixo. Não poderá fazer isto se a simpatia não tiver lembrado essa relação, se a intuição a não tiver estabelecido. Então a inteligência, de discursiva que naturalmente é, se tornará analógica, e o símbolo poderá ser interpretado. 

A quarta é a compreensão, entendendo por esta palavra o conhecimento de outras matérias, que permitam que o símbolo seja iluminado por várias luzes, relacionado com vários outros símbolos, pois que, no fundo, é tudo o mesmo. Não direi erudição, como poderia ter dito, pois a erudição é uma soma; nem direi cultura, pois a cultura é uma síntese; e a compreensão é uma vida. Assim certos símbolos não podem ser bem entendidos se não houver antes, ou no mesmo tempo, o entendimento de símbolos diferentes. 

A quinta é a menos definível. Direi talvez, falando a uns, que é a graça, falando a outros, que é a mão do Superior Incógnito, falando a terceiros, que é o Conhecimento e a Conversação do Santo Anjo da Guarda, entendendo cada uma destas coisas, que são a mesma da maneira como as entendem aqueles que delas usam, falando ou escrevendo.” - Fernando Pessoa

O escritor Fernando Pessoa resume nesse pequeno (mas grande) texto, preciosismos conselhos, que nos ajudam na questão do entender e ser entendido. E para nós, que tentamos a cada dia fazer com que os textos e os símbolos sagrados, detentores de um poder transcendente, capazes de transformar , dar sentido e salvar vidas , encontrem naqueles que os receberão o efeito desejado, tornam-se (os conselhos) ferramentas imperativas na busca desse objetivo.

De forma resumida podemos entender as cinco qualidades das quais precisamos da seguinte maneira:

Fazer com que o receptor da nossa mensagem obtenha simpatia pelo que queremos transmitir. Caso não consigamos isso, a chance da mensagem não provocar interesse e, por conseguinte,deixar de ser interpretada será enorme... Pois apesar de o que querermos transmitir seja a infalível Palavra de Deus, pode estar certo de que corremos um grande risco de apresentá-la de forma antipática.

Ter um entendimento que supere... vá além do texto sagrado, ao qual queremos interpretar... para isso deveremos fazer o uso de nossa intuição. Podemos definir a intuição aqui como algo que usa a linguagem do coração, enquanto a razão podes ser considerada a que usa somente a linguagem do intelecto. A intuição, capacita a pessoa a acessar fontes distintas das fontes acessadas pela razão.

Usar a inteligência, de forma que o texto seja esmiuçado, analisado em seus pormenores, é o que nós estudantes da teologia chamamos de “ boa exegese do texto”, enfim , saber usar o intelecto de forma a tornar a mensagem análoga à realidade de seu receptor e à sua devida e satisfatória interpretação.

Fazer com que haja compreensão da mensagem que transmitimos, usando outras fontes que lancem luz sobre aquilo que falamos ou escrevemos.

E a última qualidade, que Pessoa teve dificuldade em definir, é aquela que julgamos ser a mais importante: A graça de Deus sobre nossas vidas inspirando-nos na mensagem a ser transmitida. A mão do Deus criador de tudo e de todos a guiar-nos como instrumentos naquilo que escrevemos ou falamos. A voz do Espírito Santo de Deus, fazendo-nos conhecer o que não conseguimos através de nossa capacidade cognitiva.

Sintetizando: Os homens necessitam aprender com Deus, porque, além da leitura, é necessária a revelação do Espírito Santo, para que se possa perceber o que está além da letra.

“... porque a letra mata, e o Espírito vivifica”. II Coríntios 3:6b. 

Valeu Fernando!!!!!

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (296) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (74) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (41) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (285) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações