“Não se trata de não desfrutar, nem de desfrutar o menos possível. Isso não seria virtude mas tristeza, não temperança mas ascetismo, não moderação mas impotência. Portanto, é próprio de um homem sábio usar as coisas e ter nisso o maior prazer possível (sem chegar ao fastio, o que não é mais ter prazer). A temperança é o contrário do fastio, ou o que leva a ele; não se trata de desfrutar menos, mas de desfrutar melhor. A temperança, que é a moderação nos desejos sensuais, é também a garantia de um desfrutar mais puro ou mais pleno. É um gosto esclarecido, dominado, cultivado. A temperança é essa moderação pela qual permanecemos senhores de nossos prazeres, em vez de seus escravos. É o desfrutar livre, e que, por isso, desfruta melhor ainda, pois desfruta também sua própria liberdade.”

André Comte-Sponville – Pequeno Tratado das Grandes Virtudes

As sábias palavras de Sponville faz pensar que estamos num mundo de cabeça pra baixo, que inverte os valores e considera mais desafortunados aqueles que não buscam os prazeres mais extremos e se rendem aos desejos incontrolados do corpo, já que não conseguem preencher a alma. Escravos.

O que deveria ser uma prática saudável vai se tornando incontrolável, viciante. A internet deveria ser um excelente instrumento de conhecimento e informação, mas se tornou arma de autodestruição e alienação. A bebida que deveria proporcionar um paladar prazeroso se tornou um veneno, que mata silenciosamente o suicida descontrolado. O sexo que deveria ser puro se desumanizou, se tornou sem reservas num excesso que expõe a intimidade. O amor próprio é confundido com vaidade doentia, onde a aparência vale mais do que a essência. Usar uma roupa repetida incomoda mais a consciência do que perceber a própria atitude egoísta.

Moderação parece ser uma palavra inexistente. Contentar-se com pouco, tornar-se satisfeito tendo desfrutado o suficiente parece não ser possível. Queremos mais, queremos muito porque parece ser assim que realmente vale a pena. Porém, vazio.

“E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espirito Santo…”  Ef 4.18. 

Um Espírito que enche a alma e traz alegria, que nos leva da insatisfação ao contentamento. Não ao prazer de um momento enquanto aguça o paladar, mas o prazer de uma vida que desfruta a liberdade de dizer não.

Juliano Fabricio em outras fronteiras

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (298) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (76) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (42) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (287) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações