Creia, você sempre encontrará pessoas mais ricas, mais bonitas, mais talentosas e mais novas do que você. Portanto, não cobice, não inveje e desista de tentar copiar a vida dos outros – possivelmente essas pessoas sequer gostem de si mesmas.

Não acredite cegamente em ninguém. O coração humano é ambíguo e, muitas vezes, paradoxal. Na alma misturam-se bondade e corrupção, grandeza e mesquinhez, ódio e consideração. Aplausos podem tornar-se gritos de “crucifica-o” numa velocidade impressionante. Bajulação pode maquiar rivalidade patológica.

Ame seus inimigos – pelo menos eles foram honestos com você. O inimigo leal merece mais respeito do que o amigo desleal.

Cuidado, não fale demais. A sabedoria milenar ensina que como maçã de ouro em salvas de prata, assim é a palavra dita com prudência; se exceder, nunca hesite voltar atrás e admitir que falou bobagem.

Não se desgaste, gerindo apenas o caráter. Uma biografia depende também da reputação. Caráter tem a ver com valores e reputação, com o que os outros sabem – e comentam – a respeito de cada um. 

Todavia, o caráter corrige possíveis distorções na reputação, mas a reputação jamais corrige o caráter.

Prefira a discrição. Buscar fama, aplauso ou proeminência tem um componente luciferiano. Nunca queira aparecer a qualquer custo. Muitos não cogitam, a fama vulnerabiliza. Quanto mais exposto, mais suscetível de se ferir nas pedras arremessadas pelos medíocres. Todos têm telhado de vidro. Os discretos se submetem ao juízo de Deus – que é misericordioso -, mas a popularidade favorece o juízo humano – muitas vezes inclemente.

Respeite o perigo do dinheiro. A riqueza não é um poder neutro. Jesus tratou a riqueza como uma divindade chamada Mamon – um ídolo pagão. Ninguém está isento de esforçar-se para manter o dinheiro humilhado – quem titubear, perde a alma.

Não tenha medo de duvidar. Crer é humano e duvidar, divino. Somente os tolos não questionam. Dúvida não é sinônimo de incredulidade. Mente quem diz nunca ter duvidado. Procede do próprio Deus a ordem: Venha, pode me arguir.

Não se flagele ao errar. O erro faz parte dos processos pedagógicos – procure tão somente aprender e amadurecer com os equívocos.

Pare de levar-se tanto a sério. Ria de si mesmo e seja prudente ao zombar das tontices alheias. Ninguém é totalmente normal. Cada um precisa talhar a própria senda, mesmo que seja necessário sulcar a pedra.

Juliano Fabricio em:
 meu herege favorito
 [Ricardo Gondim]

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (301) #Provocações (282) #Word (55) Administração (58) Amor (295) Arte (270) Atitude (558) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (163) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (74) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (41) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (312) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (491) Recomendo (131) Relacionamento (285) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações