Como recebemos bem nossos irmãos e irmãs perdidos? 

Correndo na direção deles, abraçando-os e beijando-os. Vestindo-os com as melhores roupas que temos e fazendo-os nossos convidados de honra. Oferecendo-lhes a melhor comida e convidando os amigos e a família para a festa. E, acima de tudo, sem pedir por desculpas ou explicações, mostrando nossa imensa alegria por estarem novamente conosco (Lucas 15.20-24).

Isso é ser perfeito como é perfeito nosso Pai celeste. 

É perdoar, do fundo do coração, sem um traço de hipocrisia, recriminação ou mesmo curiosidade. O passado é apagado. O que importa é o aqui e o agora, em que tudo que se encontra em nossos corações é a gratidão pela volta de nossos irmãos e irmãs.

O pai da história do filho pródigo sofreu muito. Ele viu seu filho mais moço partir, sabendo das decepções, rejeições e abusos que enfrentaria. Viu seu filho mais velho tornar-se rancoroso e amargo, sem querer receber afeto e apoio. Uma grande parte da vida do pai foi dedicada à espera. Ele não podia forçar seu filho mais moço a voltar para casa ou seu filho mais velho a abandonar os ressentimentos. Só eles poderiam tomar a iniciativa de voltar.

Durante o longo tempo de espera, o pai muitas lágrimas derramou e muitas mortes morreu. Estava vazio pelo sofrimento. Mas esse vazio criou um espaço para as boas-vindas a seus filhos, quando viesse o tempo de se retorno. Somos chamados a nos tornar como esse pai.

O pai da história do filho pródigo é também a mãe. A atitude de correr em direção ao filho, abraçá-lo e beijá-lo, oferecer-lhe as melhores roupas, o anel, as sandálias e a festa não é característica de um patriarca distante. Ela expressa tanta ternura, alento e modesto perdão que nela vemos a plena presença do amor paternal e maternal.

O amor perfeito de nosso Pai celeste abrange e transcende todo o amor que um pai e uma mãe podem ter por seus filhos. Podemos pensar nas duas mãos de Deus que nos abraçam como uma delas sendo a mão de uma mãe e a outra de um pai: uma acaricia, consola e conforta; a outra apóia, encoraja e fortalece. Somos também chamados a ser pai e mãe daqueles que querem voltar para casa.

Henri Nouwen

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (298) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (76) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (42) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (287) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações