Ai de vocês, mestres da lei e fariseus, hipócritas! Vocês dão o dízimo da hortelã, do endro e do cominho, mas têm negligenciado os preceitos mais importantes da lei: a justiça, a misericórdia e a fidelidade. Vocês devem praticar estas coisas, sem omitir aquelas. Guias de cegos! Vocês coam um mosquito e engolem um camelo. Mateus 23.23

Os fariseus desempenharam um papel importante na história. Eles contribuíram bastante na preservação dos costumes judaicos e no enfrentamento do império romano na Palestina. Porém, como toda instituição, o farisaísmo teve que lidar com inúmeras dificuldades. Entre os vários problemas que o farisaísmo enfrentou nos dias de Cristo, está a noção do porquê existiam. Encantados pelos detalhes, eles já não discerniam o quadro grande. O farisaísmo se perdeu no momento em que parou de questionar: Aonde queremos chegar com nossas práticas religiosas? Qual o sentido de nosso enorme zelo? Caso tivesse a coragem de fazer apenas essas duas perguntinhas, talvez não sobrasse como sinônimo de hipocrisia, frieza, demagogia.

O mesmo mal continua a rondar os religiosos.

Muitas vezes, obcecados pelos detalhes, perdemos o todo de vista. Um dos engasgos da prática religiosa é a especialização nos pequenos detalhes. Quando pormenores demandam tempo excessivo e a máquina burocrática devora recursos - tempo, dinheiro – começa o desvio de rota. Perde-se, a instituição que não consegue justificar sua existência. Sem noção para onde ir, as cerimônias se transformam em cerimonialismo, as leis em legalismo e as tradições em tradicionalismo. Ambiente religioso que discute lei, estatuto, norma interna, não só asfixia como desumaniza. Em ambientes assim, os meios se tornam bem mais importantes que os fins.

O único justificável para qualquer instituição religiosa deve conduzir à regra de ouro – Trate o próximo com a mesma dignidade que você gostaria de ser tratado. Nada pode consumir mais recurso. Organizações religiosas com sua máquina gerencial não podem fracassar na primeira lição: Impossível amar a Deus sem amar ao próximo. Na verdadeira espiritualidade, intimidade com Deus e compaixão humana se confundem.

Para que igrejas se tornem fonte d’água para os sedentos de Deus, a mensagem deve ser, antes de tudo, repleta de bons afetos. Para doarem pão para os famintos de sentido, seus pés devem ser fincados na realidade. Se pretendem curar os culpados, não podem deixar de enfatizar a graça - Deus faz a chuva cair, universalmente, tanto sobre bons como maus. Se procuram aparecer como acolhimento para os que se sentem órfãos, o portal de entrada dos templos deve mostrar o aviso: Aqui ninguém será discriminado por nacionalidade, gênero, condição social, orientação sexual ou cor da pele.

Igreja que ousa se oferecer em amor, terá como missão o serviço e não a catequese.

Os fariseus desceram ao ridículo de criar normas para praticamente tudo: Caminhar mais que um determinado número de passos viola o sábado. Dar o dízimo do dinheiro, sem esquecer de separar para Deus o sal que tempera a comida. Os homens ficam imundos se apertam a mão de qualquer mulher menstruada. A discussão sobre a falta – ou não – de uma virgula no texto consumia dias inteiros. No exercício imbecil de especializar-se em detalhes, o farisaísmo criou monstros. Sacerdotes conspiraram, delataram e assassinaram; exatos na interpretação literal dos textos, mas inclementes.

Jesus, ao contrário, nunca pretendeu ser um novo codificador do judaísmo. Ele não se importou em preservar a fé nacional ao elogiar um centurião romano: Nunca vi em Israel alguém com fé semelhante a deste homem. O pedido de socorro de uma mulher estrangeira, siro-fenícia, o comoveu até as entranhas. Assim, logo após ensinar os discípulos que a missão deles se restringiria aos judeus, voltou atrás. O estrito cumprimento da lei não representou empecilho e uma mulher prestes a morrer apedrejada foi perdoada.

O demônio que ronda os espaços religiosos se especializou em desvios de rotas. Ele se preocupa em fazer com que tolices sejam ampliadas e o mais importante, esquecido. Por isso se diz: o diabo mora nos detalhes.

Soli Deo Gloria

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (298) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (76) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (42) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (287) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações