Trans­gre­dir, numa palavra, é fazer a narrativa avançar. 

Trata-se lite­ral­mente de “transpor uma linha”, “cruzar um limite”, mas não é coisa que esteja atrelada a qualquer neces­si­dade ética ou nuance moral. É devido a esse agnos­ti­cismo moral da trans­gres­são que o único valor absoluto abraçado pela narrativa é ela mesma, isto é, que a história seja contada.

Dito de outra forma, trans­gre­dir não equivale, de modo algum, a pecar; trans­gre­dir é exercer uma liberdade de escolha que é sempre terrível, porque cada escolha pode ter intenções e resul­ta­dos bons ou maus. É por isso que se diz de quem trans­gre­diu que “conheceu o bem e o mal”, porque sua escolha poderá ter resul­ta­dos bons ou ruins — ou, mais pro­pri­a­mente, porque o trans­gres­sor terá de arcar com as con­sequên­cias tanto boas quanto más da sua decisão.

Em termos nar­ra­ti­vos, portanto, trans­gre­dir equivale a viver.

Pedir um favor, dar um presente, decla­­rar amor, declarar guerra, fazer amigos e ajudar um des­co­nhe­cido — bem como atitudes puramente negativas e cau­te­lo­sas como o reco­lhi­mento e a abs­ti­nên­cia — envolvem, cada uma a seu modo, alguma moda­li­dade de trans­gres­são. O dilema moral não reside em trans­gre­dir ou não, mas em trans­gre­dir de que forma; isto é, de que forma fazer a narrativa avançar.

O médico trans­gride quando se interpõe no caminho da doença, o bombeiro trans­gride quando se interpõe no caminho do fogo; a viúva pobre trans­gride quando passa dia e noite exigindo justiça na porta da casa do juiz corrupto, e o juiz transgride quando faz justiça para aplacar a insis­tên­cia da viúva. 

Se Romeu e Julieta não tivessem trans­gre­dido, reco­nhe­cendo seu amor diante um do outro e do mundo, seus des­cen­den­tes correriam céleres e vivos entre nós em linhagens inde­pen­den­tes; porém amaram e morreram, isto é conhe­ce­ram o bem e o mal. Deus, natu­ral­mente, é o mais assíduo e mais apai­xo­nado trans­gres­sor, porque criou-nos o homem à sua imagem e seme­lhança e aqui estamos eu e você. Cada pro­ta­go­nista tem o conflito que merece.

Não devemos, portanto, cair na armadilha da serpente e procurar, nesta que é a narrativa pri­mor­dial da trans­gres­são, indícios de um pecado original, porque — não bastará nunca repetir — o pecado original não está no original. Neste que seria o momento ideal para fazê-lo, o texto irá se recusar, até o final, a chamar de pecado o que está prestes a acontecer. Daqui a um momento Adão e Eva terão trans­gre­dido e Deus dirá “agora o homem é como nós, conhe­cendo o bem e o mal”. Ou seja, o homem é como Deus no que trans­gre­diu, e não no que pecou. Com Deus e como Deus, terá de arcar com as con­sequên­cias da sua transgressão.

E, como homem, terá de arcar com as con­sequên­cias do seu pecado. O pecado no entanto, não é resultado, causa ou efeito da trans­gres­são. O pecado é injeção da serpente.

Juliano Fabricio
Um transgressor confesso.
[Texto apropriado de um certo transgressor que reside na baciadasalmas]

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (301) #Provocações (282) #Word (55) Administração (58) Amor (295) Arte (270) Atitude (558) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (163) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (74) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (41) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (312) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (491) Recomendo (131) Relacionamento (285) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações