O panorama do RELIGIOSO de “nós, caras legais contra eles, caras maus” – heróis de roupas brancos versus vilões de roupas pretos – presta-se apenas ao grotesco: quanto mais preto, preto, preto eu pintar o meu inimigo selecionado, mais branco, branco, heroicamente branco isso me deixa. “Dou graças a Deus por não ser como os outros homens – especialmente o DIFERENTES DE MIM” (já sabemos o resultado disso em Lucas 18:11).

O RELIGIOSO, além da sua absoluta necessidade de fazer o contraste preto e branco tão rígido quanto possível, normalmente dá a interpretação mais negativa do comportamento do “inimigo” e a mais positiva (“passando ao largo”) dos “amigos”.

Meia-verdade: procuramos e falamos alto as piores coisas acerca do inimigo, enquanto negligenciamos a menção das coisas boas que poderiam aparecer e balancear esse quadro.

Meia-verdade: destacamos o nosso vilão selecionado, e realmente o colocamos na fogueira, cuidadosamente ignorando o fato que, se ele fosse comparado com os que estão ao seu redor, ele poderia se destacar como o melhor deles.

Meia-verdade: damos a pior interpretação possível para o que podem ser até mesmo fatos precisos sobre o nosso inimigo.

Meia-verdade: mantemos os holofotes sondando nosso inimigo e somos cuidadosos para que o mesmo não caia sobre nós.

Da mesma maneira em “Crime e castigo”, Dostoievski separou a humanidade em “ordinários” e “extraordinários”. Os “extraordinários” seriam homens e mulheres que têm o direito de fazer e acontecer na história. Eles não sofrem as penas que os demais estão sujeitos. Só as pessoas comuns são obrigadas a agir dentro do rigor da lei. As pessoas comuns, quando transgridem, sofrem não só o peso do tribunal, elas são, igualmente, devastadas pela culpa. As pessoas “ordinárias” não têm o direito de questionar as exigências morais que os “extraordinários” escrevem e impõem, pois eles são os eleitos – predestinados, escolhidos, ungidos.

Esse tipo de pretensão é uma doença que pode e infecta grupos e indivíduos assim como nações. (olha o Islan)

Uma vez que um grupo é convencido de que representa “Deus” contra “Satanás”, ele está em posição para justificar qualquer ação que se prove necessária para derrubar esse satanás. 

[A história nos conta que na maioria dessas tentativas, quem foi bem representado foi o próprio “Satanás”] 

Alguma dúvida... lei a história!!!

Juliano Fabricio
Constatando que não há nada novo!!!


0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (303) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (295) Arte (270) Atitude (559) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (164) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (74) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (41) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (491) Recomendo (131) Relacionamento (285) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações