A decisão de não ter ou de se ter um, dois, três ou quatro filhos é muito pessoal e, sem dúvida, depende de muitos fatores. Está longe de ser uma decisão simples de ser tomada, mas o que mais me assusta é a força e a eloquência com que as pessoas utilizam o velho argumento de que “filho dá despesa demais”. Sim, dá muita despesa. E mais do que isso: consome o nosso tempo, nos deixa exaustos, aumenta nossos cabelos brancos, retira nossas tranquilas noites de sono, pode nos causar tristeza e decepção em algum momento. 

... enfim o tal do filho dá despesa demais?

Sim, há momentos em que a gente passa aperto, faz dívidas, há meses mais difíceis do que os outros, mas preciso dizer que um filho quando nasce não pede férias em resorts ou Disney, não pede roupas de marca desde os seus primeiros dias de vida, não pede quarto sabe lá de quantos mil reais, não pede ballet, piano, inglês, judô, escolinha de futebol, natação. (Tudo junto e misturado que retira a infância da criança cumulando-a de tantas atividades. Hoje não são mais raros os casos de stress infantil)

Um filho para nascer não exige iPhone, iPad, um quarto de última geração com todas as tecnologias disponíveis. Tampouco, precisa estudar na melhor escola, ter as melhores notas, ser o menino ou menina prodígio, não ser frustrado, até porque se sua infância e juventude forem assim, sua vida adulta será um peso que muito provavelmente ele não dará conta de carregar. 

...mas como você faz então? Não dá as coisas para seus filhos? 

Eu e minha esposa fazemos escolhas. A primeira delas é viver de um modo mais simples. Queremos conforto, sim, mas nos policiamos muito em relação aos exageros da sociedade do consumo. Nossos filhos precisam saber o valor das coisas e compreender o abismo de desigualdade social que existe no Brasil. Está certo ganhar um presente que custa um mês de trabalho de um assalariado que precisa fazer milagre para cuidar dos filhos? E, assim, a gente vai despertando a consciência deles. 

Para mim e minha esposa, o maior desafio está no tempo que eles demandam e no pique que falta devido à idade. Estou com 41 anos e ela com 32. Nos sentimos cansados, muitas vezes. Quando dizemos que se fôssemos mais novos, talvez teríamos o quarto filho, parece que estamos assaltando as pessoas. Elas nos olham perplexas, constrangidas, nem sei dizer como! A questão do tempo também é muito relevante, porque não adianta ter filhos para terceirizar a educação, delegando-a para os avós, professores ou babás. 

Valores são ensinados, sobretudo, pelos pais.

Nascem no cotidiano entre pais e filhos: no trânsito, no supermercado, na mesa do almoço, naquela bagunça em cima da nossa cama com pé sujo e tudo, na hora de fazer a tarefa escolar, no respeito aos mais velhos, no tão esquecido “pedir a bênção”, no exercício das palavrinhas mágicas: por favor e obrigado.

Para tentar não terceirizar a educação, optamos por ganhar menos. 

Ai sempre perguntam...

Quer dizer que você ganha menos do que antes para gastar mais agora?”

E eu loucamente respondo: sim. É que a nossa “matemática” não é uma ciência exata. Ela se explica mais em um texto que está em um livro bem antigo escrito por um tal de Mateus. Lá diz assim: “não vos preocupeis com o dia de amanhã, a cada dia basta o seu cuidado. Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça e tudo mais vos será dado em acréscimo”. 

Penso que a maior armadilha da nossa geração, a chamada geração X, é essa estranha e perigosa mania de dizer: “vou dar para meu filho tudo o que eu não tive. ” A gente não percebe, com isso, que ao dar tudo a gente pode estar tirando deles a capacidade de sonhar e o prazer de subir a escada degrau por degrau. Afinal, filhos prodígios podem até subir a escada com um passo apenas, mas se caírem o tombo terá consequências muito piores. 

Temos três filhos: uma menina de 06 anos, um menino de 4 anos e a rapinha do tacho de 2 anos. Muita gente acha que o caçula veio de um descuido, até porque a distância em relação ao segundo filho e curta. Não, ela não foi descuido. E se fosse, seria amado do mesmo modo. Ela chegou com uma missão: selar em nós a certeza de que nossa família estava incompleta. Agora não está mais! Não consigo me ver sem eles, ainda que às vezes tenha a sensação de enlouquecer em meio a tantas demandas. (Ps: Estamos a mais de um ano sem carro

A gente respira, tenta viver um dia de cada vez e, quando sente que não vai dar conta, chora, reclama, respira e volta o olhar para aquela matemática sensacional daquele livro antigo e tão atual. Somente lá estão as respostas para quem deseja viver menos de aparência e mais de essência.

Juliano Fabricio - #paidetrês
Ps: não conseguiria sem a Vanessa

0 Comentários - AQUI:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentem pelo Facebook

Paninho do AMOR

Click e Confiram D+

Segue ai...

Curta no Facebook

Amigos do Blog

Postagens populares

Twittes

Google+ Followers

Blog que escrevo

Pesquisar este blog

Siga-me por Email

Marcadores

@provérbios (27) #pronto falei (304) #Provocações (283) #Word (55) Administração (58) Amor (296) Arte (270) Atitude (561) Bíblia (99) Boas notícias (118) Contra Cultura (165) cristianismo inteligente (546) Curiosidade (106) Dicas (49) Estudo (83) Familia (74) Fundamentos (313) GRAÇA (140) humor (87) Igreja (144) imagem que vale post (33) Juventude (61) Livros (17) Masculinidade (41) Missão integral (103) modelos (171) Nooma (8) Opinião (313) Oração (38) Polêmica (94) Politica (53) Protesto (138) Questionamentos (492) Recomendo (131) Relacionamento (285) relevante (335) Religião (69) Solidariedade (58) Teologia (169) Videos (386)

Blog Arquivos

Minha lista de blogs

Juliano Fabricio Ferreira. Tecnologia do Blogger.

Visão Mundial - Conheça

Visitantes

Contato:

Juliano Fabricio Ferreira

jucafe2@yahoo.com.br

Uberlândia - MG - 34 99149-5443

Networkedblogs - Siga

Recomendações